(quase) Randômico

Eu sei que eu preciso atualizar o blog para vocês lerem algo de novo, mas é que eu já tinha colocado na minha cabeça que eu publicaria o vídeo do FADA, mas eu com a minha cabeça, comecei editando lá nos computadores da faculdade e deixei lá para concluir porque depois que meu pen drive resolveu se afogar pulando para dentro da minha xícara de café com leite, eu não tenho mais um armazenamento de transporte para trazer para cá o resto dos vídeos para concluir. Como eu estava contando apenas com ele, acabei não pensando em um plano B. Mas para não deixar meus poucos e significativos leitores assim, sem posts, eu resolvi escrever um post randômico, então não esperem uma ordem muito estruturada dele.

Vocês já passaram por aquela situação básica de procurar loucamente por uma vaga no estacionamento próximo do canto que você precisa ir para não precisar pagar os 4 reais absurdos do um estacionamento de shopping? Aquela continha que não custa nenhum pouquinho, é em um caixa eletrônico, mas coincidentemente, é começo do mês, justamente quando tooodos nós temos um monte delas para pagar. Logo, o estacionamento estará lotado e as únicas vagas vazias e oportunas, já que são SEMPRE mais perto das portas, são as vagas de idosos e de usuários de cadeira de roda. Aí você pensa, “mas que bobagem, não vai durar nadinha.. tenho certeza que não vai atrapalhar ninguém.. é rápido!” e vrum! Coloca o seu carrinho na vaga e sai muito rápido para pagar a conta e quando chega perto do caixa eletrônico, ele está em manutenção, aí corre para o outro que tem logo alí e OBVIAMENTE está lotado, porque todooo mundo está lá para pagar uma continhazinha de nada, mas de continhazinhas em continhazinhas, a fila fica enorme e o tempo demora mais ainda. Pensa: “Mas, ah, uma vezinha que eu faço isso, não é sempre…”

Claro que isso não atrapalha ninguém, certo?…. ERRADO! Imaginem agora uma cidade com mais ou menos 2 milhões e meio de gente e cada uma dessas pessoas pensar que fazer isso uma vezinha na vida não vai atrapalhar ninguém. Vamos exemplificar agora assim, só uma pessoa faz isso por um dia na vida. Contabilizo:  poderíamos passar 540 anos com uma pessoa fazendo isso uma vezinha só, um diazinho. Que coisa, não? Isso atrapalha tudo! Lembra da teoria do caos? Quando um pequeniiiino acontecimento pode acabar representando/determinando uma situação. Como muitos já devem saber e ter visto o filme Efeito Borboleta, que ele ilustra bem como pequenos atos podem/determinam o resultado de uma série de acontecimentos derivados daquele inicial, que parecia tão ínfimo.

Agora exemplificando de outra forma, desrespeitar a ordem de uma fila, chegar atrasado à algo previamente agendado entre muitas outras situações, que a gente pode achar que não interfere ou não tem nada a ver com a vida de Seu ninguém a não ser a sua, na verdade resulta uma ordem de acontecimentos que desencadeiam de acordo com as atitudes de TODOS NÓS.

Esse é um defeito terríível. O pensamento do coletivo  e você SEMPRE se colocar no lugar da pessoa que você está, de alguma forma, desrespeitando é a melhor forma de organizar na sua cabeça qual é a melhor atitude a se tomar. Quem nunca fez alguma dessas coisa, não é? Mas você ser consciente de tudo isso já ajuda a você mudar de idéia pelo menos alguma hora que pensar em fazer por que está atrasado ou sem dinheiro ou apressado ou qualquer outro motivo.

Eu mesma, quando estou em uma fila ou no ônibus morta de cansada pelo dia que tive ou pela rotina ou pela demora, qualquer motivo; e vem um idoso com a sua prioridade passar na minha frente ou pegar o lugar que pertence a ele e eu tenho que ceder, penso “camila, se tu tá cansada, com teus 21 anos de idade, imagina ele, o tanto de fila que não já pegou na vida, o cansaço que essa pessoa vai sentir, tendo o triplo da tua idade, o triplo do que tu já viveu…” e aí, é lógico, que eu mudo cedo, dou mesmo o lugar. Acho bom, maravilhoso, fico morta de feliz? Não, mas é o certo, é o que é justo. Simples assim.

Se colocar no lugar, imaginar se fosse alguém da dua família, supor o seu cansaço multiplicado pela idade proporcional e pensar. Se todo mundo pensar isso, tá valendo! Se UM só de quem estiver lendo pensar e fazer, já tá valendo DEMAIS! mas maravilhoso seria se isso fosse regra.  Fica a dica!

Randômico? teve até um contexto, né?


2 respostas para “(quase) Randômico

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: